Notícias


Risco de Demência e Alzheimer

12/08/2020 neuroplasticidade e funções cerebrais

A neuroplasticidade do sistema auditivo e a importância da audição para as funções cognitivas dos idosos são assuntos que tem sido bastante estudados em congressos e simpósios de audiologia e otorrinolaringologia.

O impacto da privação de sons em nossa vida não afeta somente a capacidade para compreender adequadamente as informações sonoras. Provoca alterações biológicas, psicológicas e sociais, pois diminui a capacidade de perceber os sons. Ocasiona muitas limitações, tanto no desenvolvimento do indivíduo como nos aspectos sociais e emocionais.
 
Do ponto de vista físico, isso se dá pela diminuição de estimulação e consequentemente declínio das conexões neuronais.

Do ponto de vista emocional, pelo isolamento. Ocorre um aumento do risco de depressão, diminuem as relações e interações com situações novas e tudo isso também leva a diminuição das conexões neuronais.

Um largo estudo científico investigou, aproximadamente, 3,8 mil pessoas, durante um período de 25 anos, e  revelou que pessoas idosas que afirmaram ter deficiência auditiva e que não usavam Aparelhos Auditivos encontravam-se em alto risco de contrair demência.

O estudo mostrou, também, que usuários de Aparelhos Auditivos conseguiram eliminar a possibilidade de aumento de risco de demência. Para pessoas que usavam Aparelho Auditivo, não havia aumento de risco, e elas chegaram a ser comparadas aos entrevistados que reportaram não ter deficiência auditiva.

https://www.hear-it.org/pt/perda-auditiva-cognicao-e-demencia